A importância de observar

Inevitavelmente todos se deparam, pelo menos uma vez na vida, com a famosa frase ” a prática leva a perfeição”. Obviamente, qualquer um que repita algo diversas vez torna-se excelente naquilo que faz. Porém, isto pode levar tempo. Muito  tempo, em alguns casos.

Entretanto, há métodos de facilitar esse processo, que a maioria das pessoas esquecem de mencionar. Um grande facilitador de qualquer aprendizado, que até mesmo, algumas vezes, antecede a prática, é a OBSERVAÇÃO.

Em qualquer área do vôo livre, a observação compõe essencialmente o aprendizado do iniciante. É notório ver a evolução mais rápida de um aluno que se dispôs a observar os praticantes de parapente por vários dias, ate mesmo antes de iniciar o curso . Isso ocorre por algo inerente ao ser humano, ao observarmos com atenção qualquer processo, nosso cérebro assimila aquilo que vemos, processa cada detalhe que observamos e armazena em nossa memória. Quanto mais se observa, mais fácil torna-se a prática. Esse detalhe faz grande diferença no processo de aprendizado de um aluno quanto na melhora da performance de um atleta campeão.

Especialmente no vôo livre, onde o aprendizado para se tornar um ótimo piloto, não depende apenas da dedicação as aulas práticas, mas também ciência e compreensão da teoria que envolve o vôo livre, a observação torna-se muito mais fundamental.
Um grande exemplo é quando se estuda a meteorologia. Torna-se praticamente impossível compreende -la sem ao menos observar como é a dinâmica das nuvens ou ventos durante um dia.

O melhor local para a prática de observação na formação de um piloto de vôo livre é ir ao local onde ele ocorre: na rampa!

É inevitável ter de frequentar a rampa de vôo antes mesmo de estar apto a voar. Alguns alunos irão dizer ” ah, mas eu não tenho tempo”, “ah mas eu ainda não vôo, não preciso frequentar a rampa” este é um grande equívoco dos iniciantes. As aulas práticas ocorrem em morrotes para a segurança do aluno, mas é essencial que o aluno frequente a rampa de vôo antes mesmo de poder voar, porque é lá que será o sítio de vôo, é lá que você deixará de fazer “vôos de galinha” para voar de verdade.

Ao se dispor a sentar na rampa para observar, tem se a oportunidade de visualizar como os pilotos experientes decolam, é possível avaliar os erros e acertos durante as decolagens, o porquê dos erros ocorrerem e como evitá-los, as diferenças de habilidade dos pilotos , horários que cada nível de piloto decola, e principalmente as variações da condição climática . Ver pessoalmente o ciclo de formação das nuvens, as alternâncias do vento com caladas e rajadas, é fundamental por serem situações diferentes dos morrotes de treinamento, não somente em função da altura mas também do horário. Até mesmo quando a condição climática está ruim para vôo é importante estar na rampa para visualizar o porquê da condição não estar adequada para vôo. Cada sítio de vôo tem suas peculiaridades e conhecer seus detalhes é parte do processo de formação do aluno.

Além de todos esses fatores citados, outro fator importante no aprendizado em estar presente na rampa e também é negligenciado pelos alunos é o contato com os demais pilotos que frequentam a rampa. Conhecer os demais pilotos que fazem uso da rampa de vôo, não somente os colegas da escola, propicia a maior troca de informações entre os pilotos, e até mesmo conhecer os “doidos” dos quais compartilharam a rampa e os céus com você e ser conhecido por eles.

Desta forma percebemos a importância de observar para a formação de um piloto e frequentar a rampa de voo livre durante o processo de aprendizado. Sentar na rampa, conhecer os pilotos, observar as decolagens, o céu, a cordilheira vão é somente uma perda de tempo um passa tempo, mas também um momento de aprendizado!

About the author: admin